Ontem, ao experimentar o Calendar do Windows Live, recebi a mensagem abaixo.

Isto me fez lembrar um passado não muito distante, onde apenas o Internet Explorer era considerado um browser de verdade. Naquele tempo, utilizar páginas em browsers considerados alternativos: Netscape, Opera, e outros recém surgidos era uma desagradável loteria!

Mas ainda hoje, em 2009, pode um site simplesmente boicotar o funcionamento em um navegador que preza por seguir os padrões? Isto é inaceitável! Eu sinceramente espero estar cometendo em enorme engano ao fazer esta acusação, mas o Windows Live Calendar não abriu no Google Chome.

A Microsoft lançou o Internet Explorer 8, o que era uma necessidade para corrigir falhas da versão anterior, mas não deixa de ser também uma tentativa de recuperar a grande fatia de mercado perdida para o Firefox s outros browsers. O que reforça esta minha opinião é que ainda foram mantidas no IE8 as engines do IE5 e IE6, para permitir a compatibilidade com sites que antes funcionavam no IE6 e não funcionariam corretamente no IE8, que teoricamente, segue os padrões. Isto, no meu ponto de vista é um retrocesso: não se pode manter compatibilidade com algo que não segue o padrão. É algo que vem apenas para atrasar ainda mais a adequação dos sites aos padrões de desenvolvimento.

Mas estratégias de mercado como esta são legais, e a briga é boa!
Qual o melhor navegador? Cada browser em suas vantagens e desvantagens, e nada impede o usuário de usar todos eles, como eu mesmo faço.

Mas em todo caso, vejam a tela que me foi apresentada ao utilizar o Calendar do Windows Live no Google Chrome!

Traduzindo:
O Windows Live foi feito para você, mas talvez não para o seu navegador!

Windows Live Calendar bloqueado no Chrome

O mais interessante, é ter suporte para o IE6, sabidamente uns dos navegadores mais problemáticos já lançados até hoje! Porque não citar o Chrome na lista dos navegadores suportados?

Alguém se habilita a tentar rodar o Calendar do Windows Live no Chrome para ver se o bloqueio é mesmo necessário? Isto pode ser feito alterando o informação que identifica o navegado ao site que está sendo visitado!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)