As estações de trabalho são PCs bem equipados destinados para operação profissional ao invés do uso doméstico. Tanto o hardware quanto o software são adaptados para acomodar aplicações específicas, tais como design, gráficos, codificação, modelagem e computação de alta performance. Mas eles ainda são computadores domésticos no coração, e os seus componentes são quase idênticos aos modelos convencionais. Uma das coisas nas quais eles se diferem mais é nas placas de vídeo, que tem uma engenharia diferente preparada para o uso profissional.

Principais Marcas

Assim como no mercado mainstream, placas gráficas profissionais para PCs são dominadas por duas marcas, a Nvidia e ATI. Em menor escola, temos a Sun, uma fabricante de computadores, que foi fundada em torno desde 1970, e continua a se especializar em estações de trabalho e seus componentes.

Importância

Placas gráficas de estação de trabalho são quase as mesmas que as suas homólogas de desktop. A tecnologia e as partes são as mesmas que as encontradas nas placas tradicionais. No entanto, a diferença se torna evidente quando se olha para configurações de placa específicas, drivers e softwares embutidos no pacote.

Placas para uso profissional

Este é um exemplo de placa otimizada para uso profissional pela marca ATI. (Foto: slashgear.com)

Suporte a vários monitores

Apesar de esta capacidade já ter chegado para placas “normais”, o suporte para mais de uma tela é padrão já há algum tempo nas placas de vídeo profissionais. Tipicamente, temos o suporte a dois monitores em placas mais básicas e quatro ou mais, em modelos mais sofisticados. Isto é importante porque as estações de trabalho estão muitas vezes ligadas em um ambiente de escritório ou estúdio, com várias pessoas a partilhar um projeto. Isto é tanto um recurso de hardware quanto de software, com versões comuns de uma mesma placa de vídeo simplesmente omitindo tais recursos para oferecer um preço mais baixo.

Suporte de Software

O segundo fator importante que  distingue placas gráficas de estação de trabalho são os drivers e a otimização de software, pois elas vêm com software que é adequado para 3D, design assistido por computador (CAD), gráficos, computação pesada e muito mais. Placas gráficas normais oferecem desempenho comprometido em comparação. Placas de estações de trabalho são destinadas a acelerar a produtividade fora da caixa.

Especificações superiores

Placas de vídeo profissionais obtém a mais recente tecnologia, porque as organizações profissionais e aqueles que necessitam de estações de trabalho têm se mostrado mais dispostos a pagar o dinheiro a mais. Isso se traduz em maior contagem de memória e unidades de processamento gráfico com núcleos múltiplos. Por exemplo, o projeto Quad GPU da Nvidia estreou como uma placa profissional antes de passar para o consumidor comum. Consequentemente, uma placa profissional topo de linha pode facilmente custar três vezes a melhor placa no mercado disponível para usuários normais

Placas de vídeo profissionais

A Quadro é a linha da NVIDIA feita exclusivamente para fins profissionais. (Foto: slashgear.com)

Desempenho para jogos

Estas placas podem ser enganadoras: elas têm mais músculos e custam mais, mas não entregam um impulso correlacionando em jogos, uma área muito exigente para desempenho de vídeo. A razão para isso é que os drivers e software que vêm com essas placas não são voltadas para jogos. Várias rotinas de software importantes para jogos podem mesmo não serem incluídas na construção ou programação da placa, como Shader Model e DirectX, para economizar custos. Vale mesmo é usar comparativos para poder estabelecer se o preço a mais investido nas placas profissionais é melhor do que investir em um modelo “normal”, voltado mais para jogos e vídeos.

Necessidade

Placas profissionais custam muito mais do que seus pares simplificados, não há nenhuma justificativa, a não ser alguns que verdadeiramente precisem de renderização ou desempenho e estão montando um escritório que terá serviços que precisem de renderização gráfica, como escritórios de arquitetura, entre outros. Por outro lado, mais baratas placas profissionais são os modelos mais antigos que têm sido ultrapassados ?mesmo por placas medianas feitas para o consumidor normal e, por isso, são irrelevantes. Apesar dos avanços no processo de refrigeração e ventiladores silenciosos e de baixo consumo de energia, mesmo para as mais poderosas placas profissionais, elas continuam a ser um nicho com pouco benefício para os não-profissionais.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)