A privacidade online tem se tornado um assunto cada vez mais recorrente em discussões sobre os futuros da tecnologia.  Como resultado, você pode ter visto o termo “VPN” aparecendo por aí. As redes privadas virtuais (VPNs) tornaram-se uma ferramenta popular na luta pela privacidade, mas muitas pessoas realmente não sabem o que são ou como funcionam. Apesar da complexa teoria da rede por trás das VPNs, elas são realmente incrivelmente simples de entender, e ainda mais fáceis de usar.

Entendendo como a internet funciona

Para entender o que é uma VPN e como funciona, é importante entender como a Internet e as redes em geral funcionam. Quando dois ou mais dispositivos, sejam computadores, telefones, tablets, etc. podem interagir uns com os outros, esta é uma rede. As máquinas interagem enviando dados entre si. A Internet é essencialmente apenas uma rede mundial construída a partir de várias redes e dispositivos em todo o mundo.

Quando um usuário acessa um site a partir de um computador ou outro dispositivo, os dados são trocados. O dispositivo do usuário envia “pacotes”, que contêm o endereço do remetente e do destinatário, assim como as cartas enviadas por correio. Isso é necessário para se conectar a um site, mas isso significa que os observadores podem ler esses pacotes e saber quem está visitando um site específico e o que eles estão fazendo lá.

Como usar VPN

Usando um VPN sua segurança na internet pode ser melhorada e até o desempenho de alguns programas que usam a internet pode ser melhorado. (Foto: LimeVPN)

Criar servidor VPN: uma parada no meio do caminho

Uma VPN é, na sua simplicidade, uma rede que requer autenticação antes que um usuário possa acessá-la. Considere, por exemplo, uma rede de campus ou empresa que requer um nome de usuário e uma senha. Então, como exatamente uma VPN protege seus dados? Atuando como uma espécie de plataforma de lançamento para os usuários antes de acessar os sites.

Quando um usuário se conecta a uma VPN, um “túnel” é criado. Esta é uma linha segura de comunicação entre o computador e a VPN, o que significa que os observadores externos não podem ver os dados que passam entre eles. Como uma camada adicional de segurança, os dados que passam pelo túnel são criptografados, alterando a informação de uma maneira particular. Tanto o computador do usuário quanto o VPN conhecem a chave da criptografia, então, quando os dados chegam ao seu destino, ele pode ser descriptografados e retornados ao seu estado original.

Isso significa que, mesmo que um hacker acesse o túnel, por assim dizer, eles teriam dificuldade em ler os dados dentro dele. Este túnel seguro bloqueia mais do que apenas invasores maliciosos, também. Mesmo um provedor de internet só poderá ver as cadeias ininteligíveis de dados.

Uma vez que você se conecta a uma VPN, você pode navegar na internet como de costume, com uma grande exceção: seu computador se comporta como se estivesse localizado na rede, em vez de onde você estiver. Isso significa que, quando você acessa um site enquanto estiver conectado a uma VPN, os pacotes de dados enviados não terão seu próprio endereço, mas sim um VPN.

Uma medida para contornas bloqueios regionais de certos aplicativos

As VPNs são uma medida de segurança útil, mas também servem para outro propósito. O seu computador, enquanto você está logado em uma VPN, age como se fosse parte da rede, e você pode fazer login em VPNs em outros países para contornar o “bloqueio geográfico”, que é o ato de bloquear o acesso a um site ou certos recursos com base em onde o usuário vive..

Para um exemplo de como se pode usar VPNs para contornar o bloqueio geográfico, imagine um usuário na China que queira assistir vídeos no YouTube. Se este usuário estiver logado em uma VPN com base nos Estados Unidos e acessando o YouTube, o site e qualquer pessoa que observasse sua atividade os reconheçam como sendo nos Estados Unidos, onde a VPN está localizada, permitindo que ele acessasse vídeos bloqueados ou censurados no país de origem.

Como criar uma CPN?

Sabendo um pouco mais sobre como as VPNs funcionam, surge a questão: como se começa a usá-las? Apesar de tudo o que se passa em fazer um trabalho de VPN (túneis, criptografia, etc.) para você, é tão simples quanto fazer login em um site ou app, o que significa que você precisará das credenciais certas. Se você estiver tentando proteger sua privacidade, no entanto, usar uma rede de sua empresa ou de um campus de universidade para fazer um VPN pode não ser uma boa ideia.

É possível usar um serviço VPN privado, o que pode ser útil se você passar muito tempo em redes públicas Wi-Fi. Para a maioria das pessoas, a maneira mais fácil de entrar em uma VPN é se inscrever com um provedor de VPN. Existem centenas de serviços e, como com qualquer serviço, oferecem vários incentivos, como preços mais baixos ou velocidades mais rápidas. Normalmente, uma assinatura VPN custará uma taxa mensal. Ao fazer uma conta com um serviço VPN, você criará um nome de usuário e uma senha que você pode usar para acessar a rede.

Se você logar sua rede de escritório ou um serviço VPN, você precisará do software específico dessa rede para se conectar. Se você decidir fazer uma conta com certos programas, por exemplo, você precisará baixar o software desses serviços. Felizmente, isso geralmente é tudo o que é preciso. Basta abrir qualquer software que a VPN usa, digitar suas credenciais e fazer o login.

Se você decidir fazer uma conta com um serviço VPN, é importante fazer sua pesquisa. Idealmente, um serviço VPN irá proteger a sua privacidade, mas como as empresas VPN operam em muitos países, os padrões variam drasticamente. Há algumas coisas a considerar ao escolher uma VPN.

Eles registram a atividade do usuário ou mantêm dados de acesso?

Alguns serviços VPN fazem isso, e tipicamente afirmam fazê-lo para fins de cobrança ou por causa das leis locais. Ao considerar uma VPN, leia cuidadosamente às políticas de privacidade. Você não tem motivos para confiar em que uma empresa que mantenha registros de sua atividade tenha os melhores interesses em mente; e mesmo que o façam, esses registros ainda podem ser usados para fins obscuros.

Eles são gratuitos?

As empresas tem que ganhar dinheiro de alguma forma pois os servidores não pagam por si mesmos. Se um serviço VPN está se oferecendo de graça, eles estão ganhando dinheiro com você de alguma forma, talvez vendendo suas informações aos anunciantes. Com a privacidade, como com qualquer coisa, você obtém pelo que você paga.

Leia o que os outros pensam sobre os serviços de VPN

Comunidades online são bons recursos sobre o assunto. Leia o que outros usuários estão dizendo antes de confiar em uma VPN.

Os perigos de usar uma VPN

As VPNs podem ser muito úteis, mas não são sem desvantagens. O problema mais imediato com VPNs é que eles podem influenciar suas velocidades de download. Lembre-se de que a transferência de dados entre o usuário e a VPN é criptografada, o que leva tempo. Os dados também devem ser descriptografados após atingir seu destino. Se você está tentando baixar um jogo, por exemplo, os bits de dados serão criptografados e enviados pelo túnel. Quando eles o alcançarem, seu computador deve então descriptografá-los e, dependendo da quantidade de dados, isso pode levar mais tempo. A velocidade também pode ser afetada por quão longe os servidores VPN estão de você. Como tal, tente evitar se conectar a uma VPN quando joga jogos ou fazendo outras atividades que incentivem uma conexão rápida.

Um problema adicional com as VPNs é que alguns sites maiores decidiram reprimir o uso das VPNs para evitar que usuários estrangeiros acessem sua biblioteca de mídia ou contornem certos bloqueios regionais.

As VPNs são uma ótima opção para quem procura proteger sua privacidade online. Eles não são infalíveis, no entanto, então tenha cuidado ao usar um. Esteja ciente das leis de vigilância do seu país e das políticas de privacidade de qualquer VPN que você use.

Dúvidas? Deixem suas perguntas nos comentários e iremos responder o quanto antes!

Marcadores: ,

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)