O Facebook está sendo criticado pelo compartilhamento de dados, mas é claro que não é o único gigante da tecnologia que consome nossas informações – o Google também está com fome de saber tudo o que pode sobre nós. Mas como descobrir o que o Google tem guardado para que você possa usar ou deletar?

Como ver os itens salvos no Google?

O Google coleta tantas informações sobre nós que é fácil sentir-se sobrecarregado. Para baixar tudo, vá para o Google Takeout. Há tantos dados que o Google avisa que pode levar “horas ou possivelmente dias” para coletar tudo juntos. Você receberá um email com um link para um arquivo zip para fazer o download.

É neste conjunto de arquivos que você encontrará seus e-mails, informações da agenda, listas de contatos e todos os anúncios na rede do Google que você já viu. Você vai encontrar algumas peças que você pode achar que o Google não deveria ter, incluindo arquivos que você excluiu do Google Drive, e informações de rastreamento do Google Fit, que ele desconectou da conta. Se alguém conseguir acessar sua conta do Google, poderá ver quase tudo o que você fez online e offline desde que começou a usar o Google.

Itens salvos no Google

Veja o que o Google salva para controlar sua privacidade. (Foto: 9to5Google)

O que tem no Google Dashboard?

Se você estiver impaciente demais para ver seus dados e aguardar o download do Takeout chegar, ou achar confuso arrastar um arquivo zip, poderá percorrer os dados ponto a ponto – ao lado das configurações para alterar o que é coletado – pelo Google Dashboard.

O Google Dashboard reúne todas as maneiras pelas quais você e o Google interagem. Existem os óbvios, como Gmail, Maps e Search, e outros que você pode ter esquecido, como Livros, Blogger e Cloud Print, uma ferramenta para enviar arquivos para impressão por WiFi.

Esses são todos os serviços que você usa, portanto, o fato de o Google ter dados neles não deve surpreender. Os dados mais alarmantes são encontrados mais abaixo na página, sob o título “Seus dados de atividade”, mostrando seu Histórico de localização, Atividade de pesquisa, pesquisas no YouTube e muito mais. Esses são os dados que o Google analisa sobre o que você faz online, para onde vai na vida real e muito mais.

O Histórico de localização é o mais fácil de mostrar as implicações do Google capturando todas as informações possíveis sobre você. Na página Dashboard, clique em “Ir para a sua linha do tempo” ou acesse este link quando estiver conectado. Esses pontinhos vermelhos são você. Selecione uma data e você verá para onde foi esse dia e como, disposto em um mapa. Se você tirou fotos de um dispositivo Android, elas serão mostradas com o local exato em que foram tiradas. Se isso o alarmar, você pode desativá-lo entrando no Histórico de Localização e desligando o interruptor.

Essa coleção não é apenas uma preocupação para você, mas para as pessoas com quem você está. A agregação desse tipo de dados é preocupante por si só. Se você e seu amigo autorizarem o Google a armazenar seu histórico de localização, o Google ganhará a capacidade de extrapolar eventos nos quais você esteve presente – e, portanto, a capacidade de inferir informações sobre outras pessoas que também possam estar presentes.

O próximo passo é a Atividade de Pesquisa, que está conectada à sua Atividade na Web e de apps – não se confunda com a terminologia estranha: isso é simplesmente tudo o que você fez online que o Google viu. No Chrome, é tudo o que você olhou; no Android, todos os aplicativos que você abriu; sob pesquisa, tudo o que você pesquisou no Google; e no Ads, todo marketing que eles convenceram você a analisar, coletados nos aplicativos Chrome, Gmail e Android.

Há mais três nesta seção. A Atividade de voz e áudio revela as gravações feitas quando você usa o Ok Google para fazer uma pesquisa por voz – assim como todas as vezes que você a acionou acidentalmente, com clipes de sua voz salvos pelo Google. Depois, há o Histórico de pesquisa do YouTube e o Histórico de exibição, que acompanham tudo o que você procurou e visualizou no site de vídeo.

Para alterar as configurações em qualquer uma dessas coleções de dados da atividade, você pode clicar em cada uma delas no painel ou ir diretamente para os controles da atividade. Nessa página, você pode desativar a Atividade na Web e de aplicativos, o Histórico de localização, as informações do dispositivo, a Atividade de voz e áudio e o Histórico de pesquisa do YouTube e o Histórico de exibição com apenas alguns cliques.

Os outros itens salvos do Google

Mas espere – há mais. Além dos serviços que você usa e como os usa, o Google também coleta dados sobre você de outras maneiras.

Primeiro, há anúncios. Vá para a página Configurações de anúncios do Google, onde detalha suas configurações de personalização. Se você clicar para desativar isso, não verá anúncios personalizados para você, o que significa que eles serão baseados no assunto da página que você está visitando e não no que o Google sabe sobre você – ou pensa que sim. Ele vai adivinhar o que você gosta, que pode ser qualquer coisa de “gatos” a “receitas de culinária”, “esportes de combate” a “armazenamento em nuvem”. Também vai adivinhar a sua idade e sexo.

Segundo, há permissões de aplicativos. Esses são os aplicativos – em um smartphone, online ou no seu computador – que estão vinculados à sua conta do Google. Alguns terão acesso total à sua conta, poderão efetuar pagamentos ou alterar sua senha, enquanto outros apenas poderão ver suas informações básicas de perfil e, às vezes, seus contatos. Por isso vale a pena analisar e remover os aplicativos que você realmente não usa. Clique no logotipo de cada aplicativo para ver que acesso eles têm e clique em “Remover acesso” para revogá-lo.

Acho que vale ressaltar que nossos contatos não são apenas nossos, eles pertencem a pessoas reais, muitas das quais não são titulares de contas do Google. Quando você autoriza qualquer serviço a enviar informações de contato, fornece informações sobre seus amigos e familiares, bem como sobre possíveis relacionamentos sociais.

O que fazer com os itens salvos no Google?

Tudo isso pode ser um pouco esmagador de gerenciar, mas não se desespere. O Google criou pelo menos algumas ferramentas para ajudar. Vá para a página de privacidade do Google, onde há dois “exames”, um para privacidade e outro para segurança. Cada um guiará você por uma ampla variedade de configurações. Reserve um tempo para considerar cada um e lembre-se de que pode haver trocas quanto à conveniência e facilidade de uso para manter seus dados privados.

A página Privacidade também possui links para baixar seus dados, verificar seus controles de atividades e gerenciar preferências de anúncios, conforme mencionado acima.

Toda essa coleta de dados não é um sinal de intenção “maliciosa ou nefasta” do Google – é simplesmente o negócio da internet. Eles estão usando apenas para segmentar seus anúncios com mais eficiência e ganhar mais dinheiro. É isso que as empresas fazem, e não podemos esperar que elas ajam de outra maneira ao responder aos acionistas.

No entanto, as pessoas precisam resolver o assunto com suas próprias mãos e ter uma discussão séria sobre onde comprometemos nossas informações pessoais para aplicativos. Pense nisso você mesmo, não deixe que outras pessoas decidam por você. Veja os fatos, pesquise e depois decida.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas e iremos responder!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)