Desde a publicação da portaria 1510 do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) para a regulamentação dos sistemas de controle de ponto, várias novidades que estavam em processo de desenvolvimento terão que ser abandonadas, pelo menos provisoriamente.

Esta portaria exige, dentre outras coisas, que o relógio de ponto tenha apenas a função de registrar o ponto e nada mais, não podendo ser utilizado para prover outros serviços que tornariam o controle

A maioria dos relógios de ponto comercializados atualmente no Brasil, apesar de eletronicamente avançados não tem necessariamente evoluções ideológicas importantes. Mas ideias é que não faltam, especialmente com a possibilidade de utilização de sistemas de georreferenciamento cada vez mais comuns em sistemas embutidos.

Os relógios de ponto existentes no mercado reconhecem os funcionários principalmente através de crachás com códigos de barras ou impressões digitais previamente cadastradas no equipamento. Estes métodos de identificação servem ao propósito para o qual são empregados, mas muito ainda pode ser feito para melhorar.

A utilização do georreferenciamento para a marcação do ponto do funcionário abre várias possibilidades sem precedentes no controle dos horários das jornadas de trabalho. Qualquer funcionário pode registrar o ponto simplesmente ao entrar na empresa, utilizando um programa previamente instalado em seu telefone celular, que transmitirá a informação de ponto ao sistema na internet quando a rede estiver disponível.

Com tal informação de entrada e saída, inclusive nos intervalos de almoço, as empresas podem fazer estatísticas e aperfeiçoar as rotas e horários do transporte fornecido aos funcionários, além de eliminar a necessidade de investimento em um coletor de ponto centralizado, que resulta em filas nas entradas e saídas das empresas.

A utilização georreferenciamento pode permitir ao empregador saber a localização física dos funcionários de sua empresa em tempo real, o que é especialmente útil para funcionários que trabalham em várias filias. Para colaboradores que trabalham dirigindo veículos, o controle de ponto pode ser feito relacionando o início da jornada de trabalho com o início do deslocamento do veículo utilizado, através do GPS do funcionário ou mesmo do GPS instalado no próprio automóvel.

Relógio de ponto via GPS

GPS assim poderia ser utilizado para controle de ponto

O georreferenciamento é uma inovação e suas aplicações aumentam a cada dia, à medida em que os microcontroladores vão ficando mais potentes e a integração de tais módulos em equipamentos eletrônicos se torna mais barata.

Com tais em ideias em mente, não é difícil esperar em um futuro recente que o ponto seja controlado sem a intervenção do funcionário, baseado em um misto de georreferenciamento e biometria não invasiva.

E respondendo à pergunta:

Como o georreferenciamento pode ajudar na relação entre consumidores em empresas?

Ao utilizar sistemas de controle de jornada mais eficientes e confiáveis, as empresas diminuem em muito a ocorrência de processos trabalhistas fundamentados unicamente em erros (propositais ou não) relativos ao controle de horários. Com menos processos e portanto um passivo trabalhista menor, a relação entre empresas e funcionários se tornará menos desgastante.

Além disso, tal redução nas despesas da empresa permitirá a produção de bens de consumo mais baratos e portanto competitivos, ajudando assim na relação entre as empresas e toda a sociedade!

Um comentário para “Sistemas de controle ponto baseados em posicionamento geográfico”

  1. Maurício

    Já existe um aparelho de controle de ponto com GPS e finger?

    Responder

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)