Como elimina a necessidade de olhar para o teclado, a digitação por toque é uma das habilidades mais importantes e úteis que as crianças cegas e com deficiência visual podem aprender. Mas a digitação por toque para cegos não é de modo algum um novo fenômeno.

Quando a máquina de escrever e o método de digitação por toque foram introduzidos pela primeira vez no final de 1800, ficou claro que a tecnologia seria de grande utilidade para permitir que crianças com deficiência visual escrevessem. As escolas forneceram instruções para que os indivíduos aprendessem a digitar e, eventualmente, a máquina de escrever comercial se tornou mais amplamente usada que os auxílios para escrever em Braille. Até abriu novas oportunidades de carreira quando os cegos começaram a trabalhar como datilógrafos e transcritores.

O melhor da digitação é que os alunos cegos estão em pé de igualdade com os colegas que vêem, pois a habilidade é principalmente a memória muscular. Ele também remove todos os obstáculos que as crianças que enfrentam problemas visuais e até dificuldades de aprendizado, como dislexia, disgrafia e dispraxia, podem experimentar tentar escrever à mão.

Quando um indivíduo que aprendeu a digitar por toque se senta em um computador, as idéias fluem livremente pelas pontas dos dedos e para a tela, independentemente de poderem ou não ver o texto produzido. Isso ocorre porque o datilógrafo pode continuar registrando pensamentos sem se envolver na mecânica da produção de cartas.

Teclado para deficiente visual: por que usar?

Graças à tecnologia de hoje, ser cego ou com deficiência visual não traz mais tantas restrições à independência. Indivíduos com deficiência visual podem viver por conta própria, receber uma educação de qualidade e seguir a carreira escolhida, tudo com a ajuda de computadores.

A tecnologia nos dá acesso a inúmeras ferramentas, como leitores de tela, dispositivos de gravação, leitores de texto para fala e quadros brancos eletrônicos com displays de alto contraste. No entanto, processadores de texto básicos e a Internet ainda são muito mais fáceis de navegar usando um teclado.

Além disso, nem todos os indivíduos com deficiência visual são completamente cegos. Para quem tem alguma visão, é importante desenvolver e usar seu potencial ao máximo. Muitas vezes, isso é alcançado com a ajuda de aplicativos específicos.

Por exemplo, usar um teclado e um leitor de tela especial juntos pode ajudar o aluno a ver o computador e a se sentir mais confortável com o toque e o som combinados com a visão para navegar.

E o teclado em Braille?

O Braille ainda é ensinado a crianças com deficiência visual, mas, dependendo das habilidades de visão, elas podem optar por confiar no texto tradicional lido por um computador e / ou com a fonte aumentada para um tamanho maior.

Isso ocorre porque o texto, principalmente o eletrônico, se tornou dominante no mundo digitalizado de hoje (embora os estudantes de Stanford estejam desenvolvendo novas tecnologias para fazer com que os teclados Braille funcionem em telas sensíveis ao toque).

Embora o Braille ainda seja uma opção significativa, nem sempre é uma opção prática para o aluno cego ou deficiente visual confiar ao ler ou escrever composições mais longas.

Também é menos usado para escrever, porque indivíduos que não têm deficiência visual não conseguem lê-lo. Por fim, o Braille é caro para produzir, levando a uma disponibilidade reduzida nas opções de leitura.

De fato, a maneira mais barata de produzir Braille é digitar um documento e executá-lo através de um codificador Braille no seu computador pessoal. Em seguida, ele pode ser renderizado através da nova tecnologia de impressão.

Teclado em braille

Escolha um bom teclado em braille para conseguir digitar melhor, mesmo tendo uma deficiência visual. (Foto: Amazon UK)

Deficiência visual na sala de aula

Os materiais de leitura para os deficientes visuais eram historicamente bastante difíceis de serem obtidos pelos professores. Os leitores antigos geralmente estão cheios de texto impresso grande em fundos de alto contraste, mas à medida que as crianças progridem, a quantidade de texto por página aumenta, à medida que o tamanho da fonte diminui.

A tecnologia mudou tudo nesse sentido, possibilitando que crianças com deficiência visual aprendam com seus colegas com a ajuda de computadores que podem ler documentos em voz alta e até câmeras especiais que ampliam o texto do quadro branco na tela durante as aulas em sala de aula.

Mas a digitação por toque ainda é uma habilidade crucial. E quanto mais cedo as crianças aprendem a digitar, melhor. Isso ocorre porque a digitação os ajudará a desenvolver fortes habilidades de alfabetização ao concluir tarefas escritas à mão ou não é uma opção ou leva muito tempo.

A navegação nos computadores através da digitação também abre um mundo de recursos de leitura, com muitos livros populares disponíveis como arquivos de áudio que podem ser ouvidos ou arquivos de texto que podem ser convertidos por um novo software.

Aprendendo a digitar com um adesivo braille para teclado

Pessoas cegas e deficientes visuais aprendem a digitar por toque da mesma maneira, treinando os dedos para digitar teclas e soletrar palavras usando a memória muscular versus as indicações visuais. Aqui estão algumas dicas que podem facilitar a digitação por toque, especialmente para alunos cegos e com deficiência visual. Os adesivos ou capas para teclado com braille são ótimas opções, e são baratas para começar a digitar em braille.

Mas alguns passos vão ajudar na digitação mais eficiente em braille.

1. Dê um passo de cada vez

Quando você aprende a digitar, é importante focar apenas nas letras apresentadas em uma lição individual. Pular adiante pode causar erros e o aprendizado incompleto de certas letras. Domine um conjunto de chaves por vez para garantir que você tenha uma base sólida para quando começar a digitar frases completas.

2. Crie guias táteis

Para obter ajuda para encontrar as teclas da linha inicial e obter o posicionamento correto dos dedos, use as linhas elevadas nas teclas “F” e “J”. Eles garantirão que você sempre possa se orientar para o resto do teclado. Se você luta com certas letras, peça a um professor ou amigo que cole uma gota de cola transparente ou aplique tachinha azul em uma tecla particularmente problemática, para lembrá-la de sua letra.

3. Use uma abordagem multissensorial

Suas mãos começarão a criar um mapa do teclado com base no toque à medida que você avança no curso de digitação. No entanto, é essencial escolher um curso que ofereça uma abordagem multissensorial com avisos sonoros e visuais, especialmente para os alunos com alguma visão.

4. Tente uma aula de digitação

Certamente é possível aprender a digitar por conta própria, mas ter um professor ou tutor lá para orientá-lo pode ser uma grande ajuda no começo. Todo mundo aprende no seu próprio ritmo, mas, dada a sua maior confiança no senso de toque, você pode até aprender a digitar mais rápido do que os colegas que vêem!

5. Aproveite as novas tecnologias

Nem todos os aplicativos têm configurações que os tornam amigáveis para os deficientes visuais, portanto, procure um programa que o ajude a tirar o máximo proveito da nova tecnologia. O site de leitura e ortografia do tipo toque possui uma guia “Acessibilidade”, que permite ativar a narração de áudio, ajustar o tamanho da impressão e selecionar o texto e a cor de fundo preferidos. Uma inovação recente também permite que as pontuações sejam lidas em voz alta.

6. Continue nisso

Aprender a tocar o tipo é uma habilidade para a vida que vale a pena perseguir, especialmente dado o número de benefícios e novas carreiras que abre para a pessoa com deficiência visual. Se você está tentando dominar a digitação por conta própria, entre em contato com nossa equipe para saber mais sobre o curso TTRS. Seu design modular fornece orientação, feedback e elogios a cada passo do processo, para mantê-lo motivado a aprender a digitar por toque em um ritmo ideal para você.

Aprender digitação como deficiente visual

Receber atenção especial e ajudar a superar as deficiências visuais pode ter um impacto negativo na atitude do aluno em relação à escola, principalmente quando se trata de atividades que dependem muito de dicas visuais, assim como a leitura e a escrita.

No entanto, uma criança pode aumentar a auto-estima e desenvolver mais autoconfiança nas habilidades de alfabetização através da conclusão bem-sucedida de um curso de digitação por toque, no qual ela pode até aprender a um ritmo mais rápido do que os colegas que vêem.

Se ficou alguma dúvida, deixem nos comentários suas perguntas e iremos responder!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)